Weby shortcut 1a5a9004da81162f034eff2fc7a06c396dfddb022021fd13958735cc25a4882f
Facebook da UFG
Twitter da UFG
Instagram da UFG
Youtube TV UFG
Ícone Flickr da Política de Comunicação
Rádio Universitária
TV UFG
2º Seminário Política Comunicação

Comunicação em tempos de crise é foco de segundo dia de debate

Discussão fez parte da programação do 2º Seminário Comunicação Pública e Cidadania, promovido pela Assessoria de Comunicação da UFG

Texto: Angélica Queiroz

Fotos: Carlos Siqueira

Comunicação pública em tempos de crise. Esse foi o tema que norteou o debate na manhã desta quinta-feira (24/11), na programação do 2º Seminário Comunicação Pública e Cidadania, promovido pela Assessoria de Comunicação da UFG. A ex-presidente da Empresa Brasil de Comunicação (EBC), Tereza Cruvinel, e a professora da Universidade Católica de Brasília (UCB) e coordenadora do projeto Inclui Comunicação Pública, Cosette Castro, foram as convidadas para socializar conceitos e experiências em comunicação pública com professores, estudantes e profissionais interessados na temática.

Seminário de Comunicação - dia 2

Tereza Cruvinel ressaltou a importância da resistência para que a Empresa Brasil de Comunicação não acabe

Tereza Cruvinel, que ajudou a fundar a EBC, falou sobre a história da empresa e explicou os retrocessos vividos pela comunicação pública no atual contexto político. "A comunicação pública não pode ser confundida com comunicação governamental, organizacional ou estatal". Segundo a ex-presidente da EBC, a comunicação comercial não oferece ao cidadão conteúdos para que ele exerça sua cidadania. "Nenhuma democracia ousou acabar com a comunicação pública. Ela continua sobrevivendo ao lado das empresariais porque ela é um pressuposto da democracia para se exercer a cidadania. A democracia no Brasil é incompatível com o modelo de concessão privada que temos", completou.

Tereza Cruvinel ressaltou que acredita que a comunicação pública ainda não se firmou no Brasil porque não se interviu nas estruturas. "Precisamos de regulação da mídia e um sistema de comunicação pública bem organizado", explicou. Ela criticou as intervenções do governo na EBC e disse que o momento agora é de negociação para conseguir manter o Conselho Curador, que garante a autonomia da EBC. "Acredito que a lei da EBC precisa mesmo ser revista, mas não dessa forma".

Seminário de Comunicação - dia 2

Professora Cosette Castro fala aos profissionais e estudantes de comunicação que participaram do seminário

A professora da UCB, Cosette Castro, provocou os presentes apresentando desafios para pensarmos a comunicação pública. Para ela, a comunicação pública precisa ser um espaço estratégico para a democracia e é preciso que ela seja pensada também de forma a ampliar o papel social da universidade. "Não temos disciplinas de comunicação pública nos currículos e, quando temos, elas ainda ensinam os modelos privados. Se nós na academia não valorizamos a comunicação pública como podemos cobrar isso da sociedade?".

Cosette Castro ressaltou ainda a importância do diálogo com outras áreas. "Se um núcleo não dialoga com outro nem dentro da universidade estamos reforçando a comunicação privada no Brasil. Isso é grave e é nossa responsabilidade. Precisamos sair de nossas zonas de conforto". A professora questionou como a TV e a rádio universitária impactam a sociedade e qual a relação delas com os alunos e qual a conexão com o local. Segundo ela, é preciso que tenhamos um pensamento complexo, sistêmico e transmídia ao pensar a comunicação pública.

Seminário de Comunicação - dia 2

Cosette Castro desafiou os participantes a pensar formas de exercer a comunicação pública de forma eficiente

Cosette Castro lembrou ainda que a academia e a mídia falam, escrevem e pesquisam como se todos tivessem acesso às tecnologias da comunicação e informação e se esquecem de que estão excluindo milhares de brasileiros para os quais a inclusão social e digital ainda não é uma realidade. A professora também criticou o que ela chamou de "demonização" da TV e do rádio. "Essas mídias não são instrumentos ruins, o conteúdo comercial é que é. Pode ser ótimo se tivermos TVs e rádios públicas que produzam conteúdos de qualidade", afirmou. A palestrante lembrou ainda que a comunicação pública deve ser pensado para outros espaços fora das redes digitais, como murais e muros pela cidade.

As discussões do 2º Seminário de Comunicação Pública devem servir de base para a construção da Política de Comunicação da UFG. Acompanhe os próximos passos no site.

Fonte : Ascom UFG

Categorias : política de comunicação Seminário de Comunicação Pública e Cidadania

Listar Todas Voltar